Jornada em Rokugan: Emboscada nas Montanhas do Crepúsculo

O Magistrado Esmeralda Shinjo Inyou e seu grupo, composto pelo yoriki Kitsu Shin e pelos yojimbos Hida Nori e Hiruma Kyuzo partem de Sunda Mizu Mura em direção a Shiro Takeuchi, na província Ishibei, para investigar a morte do Magistrado Esmeralda anterior.

A Estrada para a província Ishibei

O grupo parte a cavalo pelo Portão Oeste da Vila da Água Limpa. Eles sabem que a maho tsukai que os atacou no Templo do Salgueiro partiu dois dias antes. Ela, portanto, leva vantagem sobre eles. Pelo reflexo sombrio que Kitsu Shin viu na estalagem, a bruxa subiu o rio em direção às Montanhas Sombrias. Apenas Hiruma Kyuzo sabe que a bruxa é sua irmã, que ele viu pela última vez além das muralhas.

Os primeiros dias da jornada são tranquilos, seguindo pela estrada que leva a Kyuden Hida. Eles dormem as primeiras noites nas estalagens à beirada estrada e passam por dois postos de controle, apresentando as credenciais do Magistrado. A estrada está vazia, pois já está no fim do outono e as pessoas evitam viajar. Na última estalagem eles descobrem que a comitiva Takeuchi, após deixar Sunda Mizu Mura, passou por lá dois dias antes.

Na terceira noite dormem na planície. O clima começa a piorar e chove durante a noite. Para Shinjo Inyou, o local e o clima lembram sua terra natal, nas pastagens do clã Unicórnio.

No dia seguinte encontram um casal de fazendeiros, com seus dois filhos, que também retornam do Festival em Sunda Mizu Mura. Eles ajudam os fazendeiros a desatolar a carroça e resolvem acompanhá-los na passagem pelo passo nas Montanhas. O fazendeiro diz que estão voltando após venderem cabras e comparem arroz e trigo para sua aldeia passar o inverno. Eles também dizem que a comitiva Takeuchi passou por eles no dia anterior.

Após mais um noite de descanso, montando um acampamento na pradaria, as Montanhas do Crepúsculo estão bem próximas. Ao iniciarem a passagem pelo passo, o clima começa a piorar e nuvens tempestuosas se aproximam do sul. Os kami do ar falam a Kitsu que o vento que se aproxima é estranho. Os fazendeiros dizem que existe um monastério nas montanhas. O grupo resolve apressar o passo e se refugiar no templo.

Emboscada no Rio da Água Ardente

Quando se aproximam da bifurcação do caminho, descobrem que a ponte que leva ao monastério caiu. Ainda assim resolvem atravessar o rio, aproveitando uma parte mais rasa. Eles levam as mercadorias para o outro lado, para diminuir o peso da carroça. Quando estão se preparando para voltar e puxar a carroça, são surpreendidos por um ataque de goblins.

Kitsu é alvo dos ataques de um xamã goblin escondido, que invoca os kansen corrompidos para atacar o shugenja. Enquanto isso, os goblins atacam de todos os lados. Hida parte para enfrentar um dos grupos, enquanto Shinjo e Hiruma sacam seus arcos e disparam contra os goblins que se aproximam.

A mulher e as crianças escorregam nas pedras e caem na água ao tentar atravessar o rio. Hiruma manda seu cachorro Shisen socorrê-las. O cachorro se joga na água e consegue arrastar uma das crianças para a margem.


Togashi Zhin

O combate é feroz e atraí a atenção do Monge Togashi Zhin, que seguia pela estrada em direção ao Monastério de Osano-Wo na Montanha, com a companhia de seu senpai Tetsuo, para trocar duas cabras por papel e tinta para os alunos de sua escola, na Vila dos Sete Pedregulhos.

O monge corre para combater os goblins, enquanto manda Tetsuo ajudar as crianças. Ele surpreende os goblins que cercam Hida e os derruba usando um dos kiho que aprendeu em sua jornada. Hida mata o goblin sobrevivente, cortando-o ao meio com um golpe de sua katana.

O shugenja Kitsu Shin faz uma prece aos kami do rio e pede que ele os ajude. O kami responde arrastando o xamã goblin e a criança que ainda está na água e trocando-os de lugar com dois outros goblins que estavam sobre as pedras do rio. A camponesa, no entanto, se afoga, pois Shisen não consegue arrastá-la para a margem.

Vencidos os goblins e capturado o desacordado xamã, Hiruma examina os corpos dos atacantes, achando apenas marcas da tribo a que pertencem. O xamã carrega uma corrente no pescoço com restos de orelhas humanas e medalhões com um símbolo estranho. Hiruma lembra de já ter visto esses símbolos enquanto patrulhava nas Terras Sombrias, pouco antes do desaparecimento de sua irmã, mas não menciona isso aos outros.

Kitsu interroga o xamã, que se comunica guturalmente. Ele descobre que a emboscada foi ordenada por um Perdido, depois que ele se encontrou com “a bruxa”, que eles consideram ser a mulher que estão perseguindo desde Sunda Mizu Mura.

O grupo resolve descansar no templo. Togashi os guia até lá. São bem recebidos pelos monges da ordem de Osano-Wo. No templo comem e descansam. Togashi faz uma cerimônia do chá para Kitsu e Hida Nori. Durante o jantar, o abade se oferece para levar o camponês e seus filhos até a aldeia deles, depois que eles se recuperarem. Na manhã seguinte, durante a partida, o abade oferece uma pequena caixa com presentes para os viajantes. A caixa contém dois dedos de jade e um Omamori. Ele diz que a jornada que irão enfrentar parece perigosa e que o templo gostaria de ajudar de alguma forma. Kitsu aceita o presente sem a devida cerimônia e eles partem.

No dia seguinte, após dormirem em um descampado ao pé da montanha, alcançam a comitiva Takeuchi que estava voltando do Festival do Salgueiro, na Vila da Água Limpa. São recebidos por dois filhos do daimyo da família Takeuchi, Takeuchi Saiko e Takeucho Setsuo, que os apresentam a seu irmão, o líder da comitiva, Takeuchi Kagenori. Acampam em uma aldeia e se preparam para chegada a Shiro Takeuchi.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s