Jornada em Rokugan: Intriga em Shiro Takeuchi

Enquanto esperam para serem recebidos formalmente em um jantar com a família Takeuchi, todos buscam informações sobre o mistério da mina.

Documentos suspeitos

Conversando com Takeuchi Saiko, Shinjo levanta as suspeitas que tem sobre a mina e diz que gostaria de ver os registros da movimentação nos últimos anos. Ela diz que não pode levâ-lo até a biblioteca, sem permissão de seu irmão ou sem falar com Kaiu Yusiji. Mas ela diz que verá o que pode fazer para ajudar Shinjo.

Antes do jantar, Saiko visita os aposentos de Shinjo e lhe entrega pergaminhos com a contabilidade dos últimos 3 anos da província. Ela diz que os tirou da biblioteca familiar. Ele não tem tempo de examiná-los e os guarda.

O Mensageiro do Cervo

Hiruma Kyuzo e Hida Nori resolvem procurar na vila alguém que saiba mais sobre a história da mina. No caminho para a vila, cruzam com um samurai que se dirige ao castelo Takeuchi. Ele se apresenta como Shika Benkei e diz que está trazendo algumas cartas. Ele se esquiva da curiosidade de Kyuzo.

Ao chegar ao castelo, Shika Benkei é levado diretamente ao herdeiro, Takeuchi Kagenori. Ele entrega uma das cartas destinada à filha de Takeuchi, Takeuchi Rieko. A carta propõe um casamento entre Rieko e o herdeiro de uma das Casas Nobres Yasuki de Sunda Mizu Mura.

Histórias da Mina Abandonada

Conversando com alguns samurais e ashigarus na casa de sakê, Hida descobre que existia uma “cidade” próxima da mina na época em que ela estava no auge e que era muito próspera. A cidade não tinha um nome oficial, mas era chamada de Cidade na Encosta de Pedra. Após algumas rodadas de sakê, lembram que havia muito corrupção na operação da mina, segundo se dizia.

Depois que a mina foi fechada a cidade acabou abandonada, e os mineiros se mudaram, indo para outros lugares ou tendo que arrumar emprego como soldados ou fazendeiros. Um dos ashigarus conta que seu tio era minerador e que ele morreu de uma doença alguns anos depois do fechamento da mina. Sua viúva ainda mora na vila do Meio do Caminho.

Nori e Kyuzo visitam a casa da tia do soldado e descobrem que entre as coisas deixadas na caixa de herança de um dos antigos mineradores, debaixo de um fundo falso, estava um dedo de Jade corrompido e uma moeda cunhada pelo clã Caranguejo. Eles pedem para ficar com o objeto e a moeda e retornam para o Castelo.

O Velho Ferreiro Amargurado

Togashi Zhin e Kitsu Shin procuram pelo velho ferreiro que trabalhou nas minas. Descobrem que o nome dele era Setsuro, o Velho, e que ele ainda tem uma forja na vila do Meio do Caminho. Ele é conhecido como um velho difícil e chato.

Inicialmente, o velho não quer falar com os samurais e é até mesmo rude. Mas Togashi conversa com ele, percebendo que seus modos desrespeitosos escondem uma profunda amargura. Ele consegue convencer o ferreiro a falar sobe o passado.

Setsuro diz que a mina desabou matando muitos, incluindo seu irmão, que era um dos mineiros. Ele se sente culpado pela morte de seu irmão. Togashi e Kitsu o consolam e dizem que irão fazer preces pelo espírito dele. Segundo Setsuro, a mina não estava esgotada. Os mineradores haviam descoberto um rico veio de ferro misturado com pedras negras. Depois do desastre, no entanto, a mina foi fechada.

O Jantar

Ao anoitecer, o Magistrado Esmeralda, seu yoriki Kitsu Shin, o monge Togashi Zhin e o mensageiro Shika Benkei são recebidos pela família Takeuchi em um jantar. Além do herdeiro e sua esposa e filha, estão sua irmã e irmão, a víuva de seu irmão mais velho e seu filho.

Estão também três dos hatamotos do domínio, o karo Takeuchi Saito, o administrador Kaiu Yusigi e o Sensei Hida Hirogoshi.

O jantar é pesado, com momentos de silêncio. Takeuchi Kagenori provoca o Magistrado Esmeralda, mencionando as cartas que Shika Benkei disse ter para entregar. Ao final, Kagenori chama o Magistrado para a sala de audiência. Enquanto isso, a filha de Takeuchi, Rieko, conversa com Shika Benkei, buscando informações sobre a carta que este entregou a seu pai e curiosa sobre as terras distantes do Clã do Cervo.

Shinjo fala que está investigando a morte do Magistrado Esmeralda anterior e que acredita que tenha a ver com a mina perto da Vila dos Sete Pedregulhos. Ele requer permissão para ir até lá investigar e tenta convencer Kagenori de sua missão, sem sucesso.

Invasor no telhado

Após o jantar, o Magistrado, seus assistentes e o monge Togashi discutem o próximo passo de suas investigações, a ida à mina abandonada. Nori, com a assistência do Magistrado, analisa a moeda que eles encontraram no baú de herança na casa do minerador. Pela imagem cunhada, a moeda foi forjada na época do início do reinado do Bom Imperador, Hantei XV. Ele percebe que a moeda foi falsificada. A falsificação é boa, mas o metal negro foi misturado com ouro.

Enquanto isso, Shika Benkei, que estava no seu quarto de hóspedes percebe um movimento no telhado. Ele se esgueira até o teto, buscando a origem do movimento e vê uma sombra no telhado, sobre a janela do quarto do Magistrado. Benkei se aproxima sorrateiramente, pelo telhado, mas no último momento, a figura que estava escutando a conversa percebe sua aproximação e se vira. Shika vê apenas uma sombra disforme, que pula para o andar de baixo e desaparece.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s