Coriolis: A Estatueta de Zhar – Parte II

Beco dos Arqueólogos

Em busca de informações sobre a estatueta e sobre Lavim Tamm, a tripulação da Gilgamesh resolve ir ao Beco dos Arqueólogos. No Café Orjowan, eles conversam com o dono e uma garçonete e descobrem que eles viram Lavim Tamm dois dias antes, conversando com uma jovem. A mulher lembra que o nome da jovem é Samara e que ela é estudante da Universidade.

Eles procuram por uma vendedora que mexe com objetos contrabandeados, Khaffah. Ela é uma velha Zenithian, com um olhar aquilino. Depois que Tariq oferece 500 birr, ela conta o que sabe. Tamm a procurou para vender uma estatueta. Ele não mostrou a estatueta, apenas um holograma. Pela imagem, a estatueta parecia antiga e valiosa. Entretanto, a conversa deles foi interrompida quando uma jovem entrou na loja e reconheceu Tamm. Pela descrição é a mesma mulher loura que depois foi vista no café Orjowan pela garçonete. Segundo Khaffrah, os dois se conheciam e Tamm ficou meio desconcertado quando a viu, escondendo a imagem. Ela lembra que a jovem ficou surpresa pois não sabia do retorno da expedição. Lavim Tamm parecia ter os olhos vidrados, como se estivesse sobre o efeito de opor.

Tariq consegue a imagem do sistema de segurança de uma loja vizinha e identifica Lavim Tamm e a jovem. Mais tarde, invadindo o sistema da Universidade, ele descobre que a jovem é Samara Konstantinides, filha de um influente membro da facção. Ela era colega de Lavim Tamm e não foi selecionada para a expedição do professor Zhar Bragha.

Universidade de Coriolis

No dia seguinte, eles resolvem ir até a universidade. Athtar e X´ram vão em busca da jovem no dormitório dela, e o encontram revirado. O quarto de Tamm também foi revistado. Não há sinais de luta no quarto da jovem, então eles percebem que os agressores podem ainda estar atrás dela.

Tariq e Hormuz, enquanto isso, foram até a biblioteca, conseguindo acesso aos dados pesquisador por Lavim Tamm. Descobrem que ele pesquisou sobre o planeta Lubau, o primeiro da órbita do sistema Kua. Avisados por Athtar, Hormuz consegue localizar o pavilhão onde a jovem Samara estava em aula. Eles chegam pouco antes da aula acabar e quase não a encontram em meio à multidão de estudantes que sai do auditório. Hormuz a vê já na rua e consegue alcançá-la.

Ele finge ser um segurança da universidade, mostrando a imagem do ataque. Diz que o quarto de Tamm também foi revirado e que acha que estão atrás dele também. Ela confirma que se encontrou com ele e que o arqueólogo parecia realmente estranho, doente ou drogado. Ele não contou como voltou da expedição, mas ela acha que ele foi despedido. Ela só se lembra de ter visto uma propaganda do Hotel Eunuco Feliz quando estava no café com Tamm e este procurou dinheiro para pagar a conta, sem achar.

Percebendo a aproximação de membros da gangue Izza, Hormuz consegue levar Samara até o parque próximo a universidade. Escapando de serem descobertos pelos criminosos, ele deixa a jovem com guardas de Coriolis.

Tiroteio no hotel

O hotel citado pela jovem é um hotel-cápsula barato no alto da Promenade, perto do espaçoporto Neoptra, mais utilizado por operários e viajantes. Eles pegam o tubo e seguem o mais rápido possível para o local.

Ao chegarem no Eunuco Feliz, Athtar, Hormuz e Tariq entram no hotel, em busca de informações sobre Lavim Tamm. Pagando 50 birr ao atendente, eles descobrem que o arqueólogo está no quarto 42. Hormuz percebe algo estranho em um homem sentado no sofá, que parece estar vigiando-os. Ele avisa aos outros, mas estes estão distraídos discutindo sobre o dinheiro. Hormuz pergunta pelo banheiro e o atendente indica que fica no final do corredor direito, ao fundo. Ele vai ao banheiro e pede para os outros ficarem de olho.

No corredor, Hormuz esbarra em um homem que comprava comida em uma das máquinas no corredor. Ele percebe que o homem parece usar um colete por baixo da longa túnica e abaia de tecido sintético. Ele apressa o passo e ao chegar no corredor que indica o quarto 42, segue para lá. Abrindo a porta, ele encontra Lavim Tamm suando e assustado. Ele avisa que Samara o enviou e que eles têm de sair logo do hotel, pois a gangue Izza está atrás dele.

Enquanto isso, Athtar e Tariq resolvem ir atrás de Hormuz e entram no hotel, ainda discutindo. Ele pede um dinheiro para o homem no corredor e este o encara, mandando ele sair do caminho. Athtar se afasta, tentando seguir Tariq, que já virou no corredor. Sem perceber, eles são seguidos pelo trio que estava na entrada.

Lá fora do hotel, X´ram ficou na esquina, esperando por Ifrit. Olhando para a entrada do hotel, ele percebe quando um homem usando turbante, que estava parado na saída do hotel, coloca a mão sobre sua túnica de uma forma suspeita, e entra no saguão. Também segurando sua carabina vulcan por baixo do manto, ele segue o homem para dentro do hotel, sem que este perceba.

Athtar para na outra máquina de comida e, nesse momento, percebe a aproximação do trio que o segue. Ele tenta disfarçar, falando em voz alta com o homem que estava no corredor e chamando a atenção de Tariq e Hormuz, mas a mulher que vem atrás puxa uma pistola e manda ele levantar as mãos. Nessa hora o tiroteio começa.

X´ram que tinha acabado de entrar no hotel, percebe o homem de turbante sacando uma escopeta e cobrindo o corredor. O capitão da Gilgamesh saca sua carabina e dispara contra o homem de turbante. Embora o dano da arma seja quase todo absorvido pela roupa reforçada do homem, o impacto é suficiente para jogá-lo contra a parede, fazendo com que ele perca o fôlego e gire sem ação. X´ram aproveita e se aproxima do homem, fazendo um segundo disparo à queima-roupa, mantando-o. X´ram, então, ativa o alarme de incêndio do hotel, para fazer com que os hóspedes abandonem os quartos e a confusão proteja o grupo.

Enquanto isso, ao ouvir o aviso de Atthar, Hormuz joga uma granada de fumaça no corredor. Vendo uma outra porta de quarto aberta, ele arrasta Lavim Tamm até lá e se joga para dentro, quase derrubando o mecânico de nave que se preparava para seu turno de trabalho, quando foi surpreendido pelo tiroteio. Tariq também se joga para dentro do quarto e tranca a porta. A fumaça dá cobertura a Athtar para correr e se esconder atrás das máquinas de bebida.

Athtar troca tiros com os atacantes. A mulher grita “Jivvar, cuide desse” e avança pelo corredor, sendo seguido pelo homem grande. O terceiro atacante dispara contra o piloto da Gilgamesh para dar cobertura aos seus companheiros. Com a fumaça obscurecendo o corredor, nenhum dos dois acerta seus tiros, embora uma das balas de Athtar resvale na armadura do agressor. Este avança e entra em combate corporal com Athtar. Os dois trocam socos, mas o piloto consegue empurrar o homem para trás e aproveita a chance para se afastar, enquanto dispara dois tiros rápidos contra aquele. É o suficiente para matar o inimigo.

Dentro do quarto, Hormuz e Tariq perguntam ao outro hóspede se tem outra saída do lugar. Ele fala que perto do banheiro há uma porta que leva para uma saída no fundo. Eles, no entanto, vão ter de passar pelo estreito corredor. Hormuz e Tariq sugerem que o mecânico e Tamm empurrem um dos armários de metal pelo corredor, para servir de cobertura, enquanto eles disparam contra os atacantes.

No corredor, a mulher e o outro atacante se colocam cada um de uma lado do quarto. Hormuz abre a porta e o hóspede e Tamm empurram o armário, não percebem que a mulher está do outro lado. Ela avança para agarrar Tamm, mas Tariq, usando a pistola de stun, estava cobrindo a porta, e atira antes. A mulher é jogada para trás pelo impacto. Um tiro da escopeta do outro atacante acerta o hóspede, que morre. Hormuz e Lavim empurram o armário, desequilibrando o atacante, e aproveitam para pular sobre o armário e ele. Enquanto isso, Tariq dispara a arma de stun novamente contra a mulher e dessa vez ela cai desacordada.

Hormuz e Tamm correm em direção ao banheiro e à saída de serviço, enquanto o piloto e o capitão da Gilgamesh dão cobertura, disparando contra o último adversário ainda em pé. A armadura deste, no entanto, absorve a maior parte do impacto. Por sorte, embora a fumaça já esteja se dissipando, ele erra os tiros disparados contra os fugitivos. Por fim, um disparo de X´ram atravessa a armadura e acerta o estômago do homem, ferindo-o mortalmente e o deixando fora de combate.

Tariq consegue revistar a mulher desacordada, pegando sua identificação, comunicador e arma. O grupo corre para a saída do hotel, fugindo pelo beco dos fundos.

Enquanto se afastam, eles tomam consciência de que os atacantes não eram da gangue Izza. Pareciam um grupo mais profissional, inclusive o homem que usava uma armadura por baixo do manto tinha aspecto de ser militar. Um pouco adiante, param e descobrem que a identidade da mulher é falsa. No entanto, Hormuz consegue acessar o comunicador dela e descobrir que os atacantes pertenciam à Agência Colonial, o braço armado do Consortium.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s