The Armitage Files IX: A Caixa Vermelha

A inauguração da exposição egípcia no Museu de Nova York foi marcada pela morte de um dos seguranças e sumiço da múmia do faraó Nyarlathotep e mais algumas peças da exposição.

Morte no Museu

Durante a inauguração Barry encontrou Austin Kitrell, que o convidou para entrar escondido na exposição, enquanto o resto do público escutava o discurso de inauguração proferido pelo arqueólogo Lars Fagesberg. Subornando a recepcionista que guardava a entrada, eles subiram para a nova ala onde estavam as peças. Os dois visitaram a ala egípcia, enquanto bebiam uma garrafa de champanhe, passando pela múmia do faraó Nyarlathotep. Kitrell também lhe mostrou várias peças da exposição. Quando ouviram um tiro e gritos, Kitrell pegou uma pequena peça da exposição. Barry também pegou outra peça. Eles conseguiram voltar para o meio do público que corria em direção a direção do tiro.

Enquanto isso, Thomas avistou um capanga da família Marcuzzo entrando escondido na exposição. Ele avisou ao Detetive Cooper e a um segurança do museu. O segurança do museu seguiu o bandido. Quando os tiros foram disparados, Thomas e Cooper foram os primeiros a chegar. Viram o segurança caído no corredor, uma caixa vermelha no chão e o Marcuzzo tentando fugir. Thomas pegou a caixa vermelha e eles correram atrás do ladrão. Este foi preso e o detetive Cooper ficou para entregá-lo à polícia de Nova York.

A Caixa Vermelha

Foi nessa hora que todos perceberam que a múmia do faraó também havia desaparecido.

Uma estranha viagem de trem

De posse da caixa vermelha, Thomas resolveu voltar ao hotel, colocar a caixa vermelha dentro de uma das malas, amarrá-la bem, e voltar de trem para Arkham o mais rápido possível, tentando chamar o mínimo de atenção. A ideia era sair de lá antes que quem estivesse atrás da caixa vermelha desse por falta dela.

Ele e os outros seguiram para a estação de trem de Nova York, no carro de Barry. A estação, aquela hora da noite, estava bem deserta. Enquanto Barry, Liam e Mark davam cobertura, procurando por pessoas estranhas, Thomas comprou uma passagem no último trem para Boston e Arkham.

Ele suspeitou de um passageiro que também entrou no trem. Evitando esse suspeito ele sentou em um outro vagão. Foi uma viagem estranha. Alguns passageiros pareciam incomodados com um barulho de zumbido. Thomas suspeitou que o zumbido viesse da caixa, mas ele não parecia ser afetado por ela.

O passageiro suspeito deixou o trem em Boston. O trem passou por Arkahm perto do amanhecer. Thomas saltou e, depois de ver que não estava sendo seguido, escondeu a caixa em um dos esconderijos que tinha da época da lei seca.

Incidente no bar dos Marcuzzo

Liam, Barry e Mark, após se certificarem que Thomas tinha tomado o trem, seguiram para investigar o bar da família Marcuzzo. Eles entraram e pediram uma bebida, enquanto esperavam para ver se viam algo estranho. Entretanto, apenas alguns capangas e um velho bêbado estavam no bar. Segundo o bêbado, Elio Marcuzzo, o capo da família, era muito supersticioso e tinha uma fama de ser um pouco doido, mas ninguém podia falar isso na frente dele.

Quando parecia que nada descobririam ali, foram surpreendidos ao ver o arqueólogo Lars Fagesberg entrar no bar e após falar com os capangas, subir para o escritório no segundo andar.

Percebendo que estavam chamando a atenção, resolveram ir embora. Já do lado de fora, viram quando um corpo caiu no meio da rua, arremessado da janela do segundo andar. O corpo de Lars Fagersberg. O corpo parecia estranhamente envelhecido.

A múmia

O detetive Cooper acompanhou um policial que levava o capanga da família Marcuzzo para a delegacia. No trajeto, o bandido parecia nervoso e falava balbuciando. Dizia que não havia matado o segurança do museu e que seu chefe havia mandado roubar uma caixa vermelha da exposição.

De repente, o motorista desviou de alguém que entrou no caminho e bateu em um poste. Ele desmaiou e Cooper conseguiu pegar a direção do carro. Olhando para o retrovisor ele viu o que parecia ser alguém cheio de bandagens no meio da pista. Cooper conseguiu ligar o carro de novo e partiu, passando por cima da criatura e não parando para ver se ela se levantava.

Depois, seguiu direto para a delegacia, levando o paranoico bandido, que só gritava: “É ele. Ele vai nos matar assim como fez com o segurança”. Eles conseguiram chegar na delegacia.

Posteriormente, a polícia não encontrou sinais da múmia roubada do faraó Nyarlathotep. Uma ordem de prisão foi emitida contra o chefão da família Marcuzzo, pela morte do famoso arqueólogo e aventureiro Lars Fagesberg.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s